É necessário que o seu navegador tenha o suporte a javascript habilitado para navegar neste site. A torre do relógio
  • 00 item(s) - R$ 0,00
Seu carrinho de compras está vazio.

A torre do relógio

O doce sabor de uma parábola sobre Israel, os judeus e a humanidade

Segundo o Aurélio, parábola é uma “narração alegórica na qual o conjunto de elementos evoca, por comparação, outras realidades de ordem superior”. Em sua obra NA ESPIRAL DO TEMPO, o mestre David Gorodovits nos presenteia com várias, e hoje presenteamos os leitores com uma das mais emotivas e atuais e que versa sobre Israel, os judeus e a humanidade. Deleitem-se! 


A torre do relógio

Conta-se que existiu, outrora, um país muito pequeno. Tão pequeno que poucos conseguiam localizá-lo nos mapas...

Seu rei, depois de muito pensar sobre como mudar a situação de seu país, para que deixasse de ser um recanto insignificante da Terra, teve um dia uma inspiração, que logo procurou pôr em prática.

Ele decidiu construir uma torre de grande altura, sobre a qual um relógio de muitas faces permitiria a todos os seus súditos acompanhar a marcação do tempo e, talvez, dessa forma, eles se motivassem a usá-lo com melhor proveito.

Ele anunciou seu intento e buscou um construtor que aceitasse realizar a obra que imaginara, mas todos se recusavam, alegando as imensas dificuldades técnicas que teriam de enfrentar.

Apresentou-se então um anão, pronto a aceitar a empreitada, pois, segundo dizia, um gênio o ajudava a realizar qualquer tarefa. Impunha, porém, uma condição: haveria de morar na torre para assegurar permanentemente o perfeito funcionamento do relógio.

Aceita sua condição, pôs-se a trabalhar, recebendo logo a ajuda de muitas pessoas, entusiasmadas com a diligência de seu labor.

Lentamente, a torre começou a tomar forma, cada vez mais e mais alta, até o ponto julgado suficiente pelo anão, que se dedicou então à construção de um relógio multifacetado como ainda não se vira igual.

Ele concluiu a tarefa e, no dia seguinte, ao acordar, todos naquele país se sentiram irresistivelmente atraídos a observar com atenção o relógio. Admiravam o deslocar contínuo dos grandes ponteiros, a marcar o passar de segundos, minutos e horas.

A percepção da irreversibilidade daquele movimento os levou a compreender que o tempo passado era algo irrecuperável. Ante essa compreensão, decidiram utilizar da maneira mais completa esse bem precioso, que escoava sem possibilidades de ser guardado e estocado.

Primeiro, dedicaram o tempo a melhorar suas próprias aparências; depois, suas casas, seus jardins, suas ruas, e por fim, empenharam-se com tal afinco em todas as suas tarefas, que tudo que fabricavam passou a ter um toque de perfeição.

No mundo inteiro passou a ser comentado aquele país, tão reduzido em território, com tão poucos habitantes, e, no entanto, capaz de produzir tantas coisas maravilhosas.

Muitos para lá resolveram se mudar.

Entretanto, havia aqueles que invejavam o desenvolvimento do país e as honras dispensadas ao anão, e começaram a tecer intrigas, levando palavras maldosas aos ouvidos do rei. Diziam: “Não foi para beneficiar a todos que o anão aceitou a tarefa, mas, sim, para tomar o lugar do rei.”

A princípio, as calúnias não mereceram crédito do rei, mas, de tão repetidas, acabaram por lhe parecer verdadeiras e o levaram a ordenar o fuzilamento do anão.

Os soldados, entretanto, não tiveram coragem de cumprir a ordem real. Conduziram o anão à fronteira e lhe disseram: “Vá embora! Vá embora e nunca mais volte, pois se o fizer, seremos obrigados a matá-lo.”

Ele obedeceu, mas, no momento em que o anão foi embora, o relógio parou.

No dia seguinte, ao acordar, quando cada um se voltou para a torre e percebeu a imobilidade dos ponteiros, sentiu como se o próprio tempo tivesse parado de se escoar. E, se o tempo havia parado, nada mais parecia ter significado, nem sua aparência, nem a beleza de suas casas, as flores dos jardins ou a dedicação ao trabalho.

A indolência e o descaso tomaram conta de todos. Ervas daninhas começaram a se proliferar nos jardins, muros desmoronaram. Areia, poeira e toda sorte de sujeiras cobriram as ruas. E o que ainda se produzia no país passou a ser defeituoso, mal-acabado e feio.

Foram embora todos aqueles que tinham vindo de outras terras, não vendo mais motivos para querer ali viver.

E o rei se lamentava: “Por que dei ouvidos aos maledicentes? Por que ordenei a execução do anão?”

Mas, como nós sabemos, o anão não morrera. Mesmo envolvido pela tristeza de ter deixado o país onde construíra sua obra-prima, ele não perdeu sua capacidade criadora. Dirigiu-se a outro país e dedicou-se a criar algo novo, belo e significativo, trazendo desenvolvimento e progresso ao novo país escolhido para se tornar seu lar, até que foi obrigado a parar, expulso, mais uma vez, por aqueles que viam nele um estranho, cuja diligência e dedicação ao trabalho invejavam e temiam.

Partiu outra vez, e mais outra, e muitas outras mais, trazendo sempre progresso e bem-estar aonde quer que fosse, apenas para se ver, após algum tempo, novamente expulso, sendo destruídos os vestígios de sua passagem, enquanto era obrigado a buscar novo pouso.

Até que um dia... 

Um dia, decidiu que, mesmo se fosse a última coisa que viesse a fazer em sua vida, voltaria ao país bem-amado, onde erguera a torre do relógio.

O caminho de volta foi longo e penoso. Parecia que todas as forças da natureza – chuva e sol, tempestades e calmarias, neve e furacões – haviam se unido para impedir seu caminho, mas, resolutamente, continuou sua marcha.

E eis que, finalmente, do topo de uma montanha, avistou as fronteiras de seu país e o brilho dos reflexos do sol no relógio da torre. Desceu correndo e, assim que seus pés tocaram o solo, tão longamente ansiado, um milagre aconteceu: o relógio novamente começou a andar... 

* *  *

Essa história nos traz à mente um quadro da história da humanidade. Dentre os povos, construtores de gigantescas obras, cujas ruínas nos são reveladas pelos arqueólogos, sobrevive através dos tempos, pleno de esperanças, fé e realizações criativas, um povo, um pequeno povo, que não ergueu pirâmides nem estátuas de granito, e nem mesmo uma torre com um relógio, mas cujo monumento é a Torá, a revelação Divina.

Ela não marca o passar do tempo, mas nos ensina a tornar significativo cada momento de nossa existência.

Conduzido à terra do leite e do mel, por aquele que recebera do Eterno a mensagem a ser transcrita na Torá, nosso povo lutou para, por meio dela, construir as bases de uma sociedade em que imperasse um sentimento de fraternidade entre todos os seres humanos.

A marcha da história o dispersou pelos recantos mais longínquos...

E para a terra do leite e do mel, a partida do povo que a recebera como dádiva do Eterno, significou a paralisação  do fluxo do tempo. As cidades se tornaram ruínas, os pomares se transformaram em desertos, e os jardins, em pântanos.

Levada consigo a iluminá-lo, qual potente farol, a Torá eterna peregrinou por toda a Terra, levando a toda parte o brilho de suas criações, o produto de seu labor incansável, a reflexão humanitária de sua fé.

O povo judeu trouxe progresso e bem-estar a todos os lugares aonde foi, mas sofreu perseguições, expulsões e martírios, provocados pela inveja e pelo ódio dos intolerantes.

Um sonho o acompanhava e a grandeza de sua fé mantinha acesas suas esperanças, mesmo nos momentos mais terríveis.

Há cerca de um século, Theodor Herzl proclamou: “Se quiserdes, não será apenas um sonho.”. E o povo judeu concentrou seus esforços na realização do sonho.

Os obstáculos e o sofrimento foram imensos, mas sua perseverança e a força de sua fé foram ainda maiores.

Com a graça do Eterno, o sacrifício de muitos de seus filhos e uma luta que ainda continua, realizou-se o milagre do século 20 – o surgimento de Israel.

E o relógio começou novamente a funcionar...

As ruínas cederam lugar a cidades cheias de vida.

Os desertos, foram transformados em pomares; os pântanos, drenados e transformados em jardins, e, novamente, pode-se escutar nas cidade de Iehudá e nas ruas de Ierushaláyim, vozes de alegria e júbilo, o cantar dos noivos e das noivas, salmos de louvor e agradecimento ao Eterno. 

Que a luz da Torá ilumine a cada um de nós e que se cumpra em nossos dias: 

Ki mitsion tetsê Torá udvar Hashem mirushaláyim!

Pois de Tsión emanará o ensinamento da Torá, e de Jerusalém, a palavra do Eterno.


Este texto integra o livro NA ESPIRAL DO TEMPO - Uma viagem pelo calendário judaico, de David Gorodovits.